ofplogo.gif (4994 bytes)   


Allan_Kardec.jpg (3240 bytes)

ASSIM FALOU ALLAN KARDEC

(Sobre a comunhão dos pensamentos)

                 “O pensamento é o atributo característico do ser espiritual; é ele que distingue o espírito da matéria: sem o pensamento, o espírito não seria espírito. A vontade não é atributo especial do espírito: é o pensamento, chegado a um certo grau de energia; é o pensamento, tornado fôrça motriz. É pela vontade que o espírito imprime aos membros e ao corpo movimentos num determinado sentido. Mas, se ele tem a força de agir sobre os órgãos materiais, como não deve ser maior esta força sobre os elementos fluídicos que nos cercam! O pensamento age sobre os fluidos ambientes, como o som age sobre o ar; esses fluidos nos trazem o pensamento, como o ar nos traz o som. Pode, pois, dizer-se com toda a verdade que há nesses fluidos ondas e raios de pensamentos que cruzam sem se confundir, como há no ar ondas e raios sonoros (...)

                “A comunhão de pensamentos produz uma espécie de efeito físico, que reage sobre o moral; é o que só o Espiritismo poderia dar a compreender. O homem o sente instintivamente, desde que procure as reuniões onde sabe que encontra essa comunhão. Nas reuniões homogêneas e simpáticas adquire novas  forças morais; poder-se-ia dizer que aí recupera as perdas fluídicas que tem diariamente, pela radiação do pensamento como recupera, pelos alimentos, as perdas do corpo material (...)

                “... nas relações que se estabelecem entre os homens e os Espíritos, concebe-se que haja, numa reunião onde reine uma perfeita comunhão de pensamentos, uma força atrativa, ou  repulsiva, que, nem sempre, possui o indivíduo isolado...” (Extraído da Revista Espirita, Ano XI, vol. 12, dezembro de 1868 – Edicel, págs. 352 e 353).

<<< Voltar