ofplogo.gif (4994 bytes)   


ASSIM FALOU ALLAN KARDEC

(Ao lançar o 1º número da “Revista Espírita)

                 “... Dá-se com as manifestações espiritas o mesmo que com o sonambulismo (magnetismo); se elas não se produzirem a plena luz e publicamente, ninguém impedirá que ocorram na intimidade, pois cada família pode descobrir um médium entre os seus membros, desde as crianças até os velhos, bem como pode encontrar um sonâmbulo. Assim, quem poderá impedir que o primeiro que encontramos seja médium e sonâmbulo? Sem dúvida, os que o combatem não pensaram nisto.  Insistimos, pois: quando uma força está na Natureza, pode ser paralisada por um instante, mas nunca aniquilada! Apenas poder-se-á desviar o seu curso. Ora, a força que se revela no fenômeno das manifestações, seja qual for a sua causa, está na Natureza, assim como o magnetismo; e não será aniquilada, como o não será a força elétrica. O que é preciso é que seja observada e estudada em todas as suas fases, a fim de se deduzirem as leis que a regem. Se for um erro e uma ilusão, o tempo fará justiça; se for a verdade, esta é como o vapor; quanto mais comprimido maior será a sua força de expansão.

                “Admiram-se muitos de que, enquanto na América, só os Estados Unidos possuem dezessete jornais consagrados ao assunto (fenômenos espiritas e sonambulismo), sem contar um sem número de escritos não periódicos, a França, o país da Europa, onde mais rapidamente as idéias (relativas aos fenômenos das  mesas girantes e falantes) se aclimataram, não possua nenhum. Seria desnecessário constatar a utilidade de um órgão especial, que ponha o público a par do progresso desta nova Ciência (o Espiritismo), e a premuna contra os exageros da credulidade, tanto quanto do cepticismo. É uma tal lacuna que nos propomos preencher com a publicação desta Revista, com o fito de oferecer um meio de comunicação a todos quantos se interessam por estas questões, e de ligar por um laço comum os que compreendem a doutrina espirita sob seu verdadeiro ponto de vista moral...”

                “... como o nosso objetivo é chegar à verdade, acolheremos todas as observações que nos forem dirigidas  (pelos leitores) , e tanto quanto o permitir o estado dos conhecimentos adquiridos, procuraremos resolver as dúvidas e esclarecer os pontos ainda obscuros. Nossa  Revista será assim uma tribuna, na qual a discussão jamais deverá afastar-se das normas das mais estritas conveniências. Numa palavra: discutiremos, mas não disputaremos. As inconveniências de linguagem jamais foram boas razões aos olhos da gente sensata: é a arma daqueles que não possuem algo melhor, e que se volta contra quem a maneja...”

Depois de explicar porque motivo classificou o Espiritismo como Ciência e destacar as evocações íntimas  dos Espíritos como instrumento necessário da pesquisa espírita, Allan Kardec dá a seguinte explicação: “Como se vê, nosso quadro compreende tudo quanto se liga ao conhecimento da parte metafísica do homem. Estudá-la-emos  no seu estado presente e no futuro, pois, estudar a natureza dos Espíritos, é estudar o homem, por isso que este um dia participará do mundo dos Espíritos. Eis por que adicionamos ao título principal (Revista Espírita), o subtítulo (Jornal de Estudos Psicológicos), a fim de dar a compreender toda a sua importância...”

                E Kardec conclui seu pensamento, acrescentando: “Por mais abundantes que sejam nossas observações pessoais e as fontes onde as colhemos, não dissimulamos as dificuldades da tarefa nem nossa insuficiência. Para  suplementar, contamos com o concurso benévolo de todos quantos se interessam por esses problemas. Seremos, pois, gratos pelas comunicações que nos forem transmitidas sobre os diversos assuntos de nossos estudos (...) E, só publicaremos o nome das pessoas que nos enviarem comunicações, se recebermos formal autorização delas para isso ”. (“Revista Espírita, Ano I, nº 1, janeiro de 1858 – Introdução - Editora EDICEL, págs.1 a 6).

 

OBSERVAÇÃO :

                O lançamento da REVISTA ESPÍRITA foi um acontecimento tão importante, que o próprio mestre Allan Kardec registrou  no cap. III de “O LIVRO DOS MÉDIUNS”, em que aborda o tema “MÉTODO”, ou,  quiçá, “metodologia”, o seguinte: “Os que quiserem adquirir esses conhecimentos preliminares (da Ciência Espírita, naturalmente) pela leitura de nossas obras, devem fazê-lo na seguinte ordem: 1º) “O Que é o Espiritismo”; 2º) “O Livro dos Espíritos”; 3º) “O Livro dos Médiuns”; 4º) “Revista Espírita”.

                Portanto, quem quer mesmo estudar  a fundo o Espiritismo, tem que seguir o conselho dado pelo grande missionário de Lyon que foi o Sr. Allan Kardec, ou seja, seguir a ordem acima estabelecida.

          No primeiro número da Revista Espírita, Allan Kardec nos mostra as “Diferentes formas de Manifestações”, os “Vários Modos de Comunicação”, as “Manifestações Físicas”, os “Diabretes”, os “Médiuns julgados”, as “Visões”, o “Reconhecimento da Existência dos Espíritos e de suas manifestações”, “História de Joanna d’Arc ditada por ela própria”. Apresenta também um comentário sobre “O Livro dos Espíritos” e duas Evocações Particulares, a de uma mãe, consolando a filha aflita e a de um pai que se dirige ao filho também desolado.