ofplogo.gif (4994 bytes)   


COMO APARECE MARIA, MÃE DE JESUS,

EM “OS QUATRO EVANGELHOS” 

 

                Disse J. B. ROUSTAING: “ – Jesus não nasceu do homem (...) Não o esqueçais: todo aquele que reveste a carne e sofre, como vós, a encarnação material humana, é falível. Jesus era demasiadamente puro para vestir a libré do culpado. (...) Ele não esperou, sepultado no seio (ventre) de uma mulher, a hora do nascimento. Tudo relacionado à gravidez e ao parto de Maria, foi obra do Espírito Santo...” (págs.166 e 167 do Vol. I  - 6ª edição FEB – 1983).  Sim, “obra do Espírito Santo” o que ficou bem claro mais adiante: “Aquele que nela (Maria) se gerou (Jesus) foi formado pelo Espírito Santo” (pág. 171), o que foi confirmado em seguida (ver pág. 192), onde se lê que “Jesus foi formado miraculosamente no seio (ventre) de uma virgem pelo Espírito Santo”. E Roustaing insiste: “- A gravidez de Maria foi obra do Espírito Santo...”  (Pág. 195)

NOSSO COMENTÁRIO

                Como se vê, Jean Baptiste Roustaing, coordenador e responsável pelo livro intitulado  “OS QUATRO EVANGELHOS” ou “REVELAÇÃO DA REVELAÇÃO”, que, na verdade, tomou seu nome como legítimo autor, pensava de modo diametralmente oposto ao do Missionário de Lyon. Sim, porque, enquanto Allan Kardec, assistido pelo Espírito de Verdade, via em Maria, esposa legítima de José, apenas uma mulher em idade fértil para a reprodução e que, portanto, sua gravidez e seu parto correram normalmente, como nas demais mulheres, Roustaing via em Maria, a jovem esposa de José, uma exceção, pois, como deixou bem claro, ela foi desvirginada por um ser imateral, o Espírito Santo, de quem ficou grávida e deu à luz um corpo fluídico (Jesus), adotando assim, claramente, o sagrado dogma da concepção milagrosa de Jesus, consagrado pela Igreja Católica Apostólica Romana.

                Quem quiser entrar em detalhes sobre o papel que Maria, esposa de José, representou na vida de Jesus, abra, por favor, a obra “Os Quatro Evangelhos”, 6ª edição da FEB e leia o que se encontra no vol. I págs. 195, 200, 202, 242, 243, 274, 275 e 276.

                Leitores amigos, leiam Roustaing e confiram tudo que dizemos aqui.