ofplogo.gif (4994 bytes)   


PRECIOSIDADE HISTÓRICA ESPÍRITA CHEGA DE BELÉM DO PARÁ

 

            Recebemos do ilustre confrade e amigo, escritor espírita Demóstenes Jesus L. Pontes um belo e importante trabalho de pesquisa doutrinária intitulado:

 

HISTÓRIA DO ESPIRITISMO NO PARÁ
(100 anos de União Espírita Paraense), de autoria de três grandes historiadores espíritas:

Verônica Neuma Ferreira Santana,
Demóstenes Jesus de Lima Pontes e
Jonas da Costa Barbosa

Lançamento, em 1ª Edição da Editora União Espirita Paraense, de Belém/PA - Ano 2007 

     Esse valioso presente nos foi enviado com a seguinte “dedicatória” muito gentil: “Ao ilustre confrade e amigo Erasto C. Prestes, lídimo defensor da pureza doutrinária do Espiritismo em nosso país, principalmente através do seu bravo “O FRANCO PALADINO”, deixo aqui registrados a minha amizade e o meu preito de admiração, concitando-o a que prossiga, sem desfalecimentos, a sua nobre luta, com a consciência de que, conforme referiu o saudoso J. Herculano Pires “não há direito nenhum que permita a um pinta-monos desfigurar as obras clássicas da cultura mundial”.

                        Fraternalmente,

            Demóstenes Jesus de L. Pontes

 

NOSSOS AGRADECIMENTOS

 

            Caro confrade e amigo Demóstenes Jesus de L. Pontes, suas palavras, repassadas de carinho fraterno, muito me comoveram e sensibilizaram. Deram-me, sobretudo, um grande incentivo para não esmorecer diante das dificuldades encontradas no caminho como divulgador do verdadeiro Espiritismo e prosseguir com coragem no lançamento mensal do meu bravo boletim “O FRANCO PALADINO”.

            Muito obrigado, pois, por sua atenção e por suas palavras elogiosas ao meu trabalho doutrinário “como lídimo defensor da pureza doutrinária do Espiritismo”.

            Um grande abraço do seu admirador.

                          Erasto de C. Prestes

                             (O FRANCO PALADINO)

OBSERVAÇÃO: “A diretoria da União Espírita Paraense (U.E.P.), ao tomar a decisão de elaborar uma obra registrando a história do Espiritismo no Pará, (...) pretendeu que, não apenas os espíritas mas também o público em geral, especialmente os estudiosos dos fatos históricos tivessem conhecimento  das questões que envolveram a marcha das idéias da novel doutrina (Espiritismo) em terras paraenses, desde sua chegada a Belém/PA por volta dos anos de 1860 a 1870.

            “Justifica-se tal iniciativa por várias razões, dentre elas a de ressaltar a significação do centenário de uma instituição que conseguiu sobreviver e se consolidar ao longo do tempo, enfrentando duras lutas para chegar vitoriosa aos dias de hoje e cuja trajetória foi fundamental na composição histórica do movimento espírita do Estado. Avulta em importância esse centenário ao se levar em conta que inúmeras agremiações espíritas, criadas antes da fundação da UEP, e mesmo após seu surgimento, tiveram curta existência”.

            “A elaboração desta obra, como é compreensível, foi precedida de longo e cuidadoso trabalho de pesquisa. A comissão designada para realizar essa tarefa recorreu, por cerca de quatro anos, a várias fontes de informações: arquivos públicos, instituições privadas e até particulares, jornais, revistas, livros de atas, livros variados, pessoas diversas  -  especialmente familiares de vultos do Espiritismo, no Pará, trabalhadores espíritas e outras. Houve muita colaboração nesse levantamento de dados e obtenção de fotos.”

“O período de pesquisa abrange os acontecimentos até 31 de dezembro de 2005, começando pelos fatos iniciais relativos ao movimento espírita no Pará, com destaque aos desbravadores ou pioneiros, que fundaram, no dia 12 de junho de 1879, o Grupo Espírita “Luz e Caridade”.

“Com o passar do tempo, outras instituições foram surgindo: C. E. do Estado do Pará, Grupo Amor e Perdão, Grupo Espírita Regeneração, Grupo Espírita Fé e Constancia e Grupo Espírita Abnegação e outros..” até que, em 17 de junho de 1906, surgia a União Espirita Paraense, hoje Federação Espírita do Estado do Pará (F.E.E.P.).