ofplogo.gif (4994 bytes)   


“ECOS DO PRIMEIRO CISMA”

 

                O Prof. Sérgio Fernandes Aleixo, grande expositor, jornalista e escritor espírita da nova geração,

vem apresentando, no Boletim da ADE-RJ (Associação de Divulgadores do Espiritismo do Rio de Janeiro), uma série de artigos, focalizando “a Verdade ocultada sobre o Roustainguismo”.

Na edição de fevereiro/2007, no artigo intitulado “O CREDO ESPIRITA”, ele começa perguntando: “ – Quanto haveremos ainda, os herdeiros do legado kardeciano, de estar a postos contra teorias as mais exdrúxulas e acusações as mais infundadas?...”

E prossegue, desenvolvendo o seu pensamento, da seguinte forma: “ – Reflitamos nesta oportunidade sobre um dos muitos crimes de lesa-doutrina, citados com gosto por professo roustainguista em  recente publicação de título Os Quatro Evangelhos: Resposta a Críticos e adversários”, íntegra do texto que só parcialmente se conhecia, sob a forma rara e fugidia de uma parte de prefácio não mais editada pela F.E.B., nos modernos exemplares de Roustaing.

                “A hipótese que apreciaremos foi lançada em 1970 pelo Prof. Pastorino, que, diga-se, alto e bom som, discordava do Jesus agênere de Bordéus e a cuja condição de erudito teólogo e emérito tradutor do Novo Testamento sempre se poderá recorrer com o máximo proveito...”

                Infelizmente, por ser muito longo esse artigo, não podemos transcrevê-lo todo em nosso boletim. Todavia, os interessados em lê-lo na íntegra, devem se dirigir, pessoalmente, ou por carta, à ADE-RJ, que atualmente está funcionando em local anexo à Instituição Espírita “Paulo de Tarso”, na Rua Idumé, nº 82 – Brás de Pina – Rio de Janeiro/RJ, ou pelo telefone: 0 XX 3137-0425.

                De nossa parte, só podemos parabenizar o Prof. Sérgio Fernandes Aleixo, pela coragem e grande competência que tem demonstrado, ao se colocar em atitude de defesa da pureza doutrinária do Espiritismo, mostrando ao público os absurdos contidos na  obra apócrifa “Os Quatro Evangelhos” de J. B. Roustaing, o primeiro grande traidor de Allan Kardec.

Ao contrário do que afirmou Humberto de Campos (Espirito), no livro “Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho” Roustaing nunca foi “coadjutor”, ou auxiliar, do querido Missionário lionês. Fez tudo à revelia de  Allan Kardec, embora, fingidamente, em carta, o tratasse como “mestre” e “honrado Chefe espírita”, (Ver Revista Espírita de junho de 1861).