ofplogo.gif (4994 bytes)   


IV CONGRESSO ESPÍRITA MUNDIAL

     Os jornais e revistas têm sido unânimes em reconhecer que foi um verdadeiro sucesso o IV Congresso Espírita Mundial, realizado em Paris, de 2 a 5 de outubro de 2004 em comemoração ao bicentenário de Allan Kardec.

     “O Clarim”, de Matão/SP, por exemplo, estampou na capa uma bela e grande fotografia, mostrando dezenas de participantes, e, num telão, bem montado, aparece a figura exponencial de Roger Peres, Presidente da União Espírita Francesa e Francofônica. Nas páginas do centro, as fotos mostram uma vista parcial do grande público presente e os senhores Michel Buffet, Nestor Mazotti, Roger Peres e Altivo Ferreira. Em outra foto, mais abaixo, aparece o médium Divaldo Franco, psicografando mensagem de um Espírito que se identificou como sendo o de Léon Denis;  mensagem essa que aparece transcrita ao lado.

     Por sua vez, o jornal “Mundo Espírita”, fundado em 1932 pelo grande Henrique Andrade, autor do livro “A Bem da Verdade”, mostra-nos também, na primeira página, fotos em que aparecem os participantes da mesa diretora dos trabalhos, bem como uma parte do público que lotou o auditório, e, em letras garrafais, a seguinte manchete: “OS ESPÍRITAS DO MUNDO REUNIDOS  PARA A COMEMORAÇÃO DO BICENTENÁRIO DE ALLAN KARDEC”.

     Nas págs. 6 e 7 aparecem, na tribuna de honra, Raul Teixeira, de Niterói, e o Sr. Nestor Mazotti, Presidente da F.E.B.  membro do CEI-(Conselho Espírita Internacional  Conselho Espírita Internacional), fazendo suas exposições, e, mais abaixo, o médium Divaldo Franco, em transe mediúnico.

     Na pág. 7 aparece a relação dos países que se fizeram presentes, destacando-se o Brasil com 1.190 representantes, seguindo-se Portugal, com 170 e a França com 155.

     Aproveitamos o ensejo para apresentar nossas sinceras congratulações ao Conselho Espírita Internacional e à Comissão Organizadora pelo êxito alcançado com a realização desse magnífico evento.

      Alguns Espíritos, embora invisíveis para o grande público, assistiram às  sessões principais de abertura e encerramento, entre os quais, além de Léon Denis, o “Mundo Espírita” cita: Gabriel Delanne, Canuto Abreu, Bezerra de Menezes...

     Perguntamos nós: - E Allan Kardec, o grande homenageado, não esteve também presente nesse IV Congresso?

     Pelo que soubemos, parece que um médium vidente viu o Espírito de Allan Kardec. A ser verdade, porque não se manifestou?!

     Outra indagação importante: - Os Espíritos de  Roustaing e o de Chico Xavier também estiveram lá?  Pode-se, deve-se mesmo perguntar isto. Afinal, não foi ele, Roustaing, contemporâneo e mesmo auxiliar de Kardec na obra da Codificação, como afirmou Humberto de Campos (Espírito) no livro “Brasil, coração do Mundo e ...”? O próprio Roustaing, por correspondência, não havia se referido a Kardec como seu “honrado chefe espírita” como se vê na Revista Espírita de junho de 1861?! Participar então deste IV Congresso Espírita Mundial, ao lado de Kardec, seria uma ótima oportunidade de resgatar a gafe cometida em outubro daquele ano, quando deixou de comparecer às justas e merecidas homenagens que a comunidade espírita de Bordéus prestara ao Missionário de Lyon, quando de sua visita a essa importante cidade francesa, atendendo a convite do Sr. Sabo, presidente do centro espírita  que Roustaing freqüentava, por orientação do próprio Kardec!

     Por sua vez,  o médium Chico Xavier, se também presente em Espírito nesse Congresso, poderia e, mesmo, deveria aproveitar esse momento histórico para esclarecer de uma vez por todas o que a Dra. Marlene Nobre vive apregoando com tanto ardor a respeito da reencarnação de Kardec.

     Outras indagações podem ser feitas em relação a esse evento mundial que foi o IV Congresso Espírita: a) Teve ele o caráter deliberativo, como preconizava Kardec? Em caso afirmativo, que temas polêmicos foram discutidos e que decisões foram tomadas; b) As mensagens apócrifas atribuídas ao Espírito de Kardec são mesmo dele?! c) Devemos  ou não devemos fazer a evocação dos Espíritos, como pregava Kardec, que considerava um erro pensar o contrário? d) A obra “Os Quatro Evangelhos” de J. B. Roustaing deve ou não deve continuar figurando como complementar às da Codificação Kardequiana, como reza o Estatuto da Federação Espírita Brasileira, em seu art. 1º, § 1º; e) Finalmente, o roustainguismo deve ou não deve continuar sendo considerado “um curso superior de Espiritismo”, como afirmou Ismael Gomes Braga com a chancela dos dirigentes da F.E.B?!

     Com a palavra os coordenadores dos grupos de debates desse IV Congresso Espírita Mundial!

<<< Voltar