ofplogo.gif (4994 bytes)   


PARABÉNS, ELIANA TOMÉ

     Seu artigo inserido no Jornal Espírita de janeiro último está excelente. A sra., muito sabiamente, rebate essa idéia maluca, que andam espalhando por aí, de que Allan Kardec está ultrapassado. É claro que não está, foi o que a sra. mostrou com muita competência. Permita-me reproduzir aqui alguns trechos do seu artigo.

     “Allan Kardec é uma dessas figuras que, mesmo no meio espírita, ainda continua sem o devido valor, a devida medida, o devido peso. Mais de uma pessoa considera-o ultrapassado, assim como o seu trabalho. Ora, a afirmação além de enganosa, nos dá por si só a medida daquele que fala.

     “Kardec, na Doutrina Espírita, trouxe as máximas colhidas junto à Espiritualidade de Luz. Nada do que escreveu  baseou-se em conceitos pessoais ou visões parciais e íntimas. Ao contrário, quem estuda a maneira como abraçou a causa espírita, sabe que o grande professor, discípulo de Pestalozzi, muito meditou, muito inquiriu e muito pesquisou até encontrar-se totalmente subjugado pelas verdades que lhe chegavam às mãos através dos fenômenos mediúnicos.

     “Baseando-nos nisso, se considerarmos Kardec ultrapassado, isso implica dizer que os ensinamentos da equipe do Espírito de Verdade são também ultrapassados (...) Ora, nada existe nos livros da Codificação que não resista à lógica e à experimentação científica.. Portanto, qualquer opinião contrária é fruto da ignorância daquele que afirma e cujo espírito, longe de ser mau, é, antes de qualquer coisa, de alguém que ainda não aprendeu  -  por incapacidade, ou por preguiça mental, em avançar os estudos  - , as verdades do Além. Pensa que sabe, pensa que conhece, mas atrapalha-se ainda na visão geral dessa grande Doutrina, cujas leis baseiam-se nas virtudes do coração e na evolução de cada ser aqui encarnado...” Eliana Thomé. (Trecho extraído do Jornal Espírita, janeiro de 2006, pág. 10)

     Portanto, quando alguém nos perguntar se Kardec está ultrapassado, devemos responder, imediatamente: “ – Não, não está; mil vezes: NÃO, NÃO ESTÁ.

      Esta é que é a verdade.