ofplogo.gif (4994 bytes)   


“O MESTRE CHICO XAVIER”

 

            Este é o título de um livro escrito por Luiz Eduardo Matos, um fanático admirador do famoso médium mineiro, para quem o Chico foi “o maior médium de todos os tempos”.

            Quero deixar bem claro nesta coluna que discordo completamente dessa afirmação que considero muito exagerada e, sobretudo, absurda, já que, pelo mundo espírita, nacional e internacional, passaram tantos grandes médiuns, que deixaram obras maravilhosas, até hoje lidas e admiradas e continuarão sendo procuradas pelas futuras gerações de espíritas.

            Na minha modesta, mas sincera opinião, Chico foi, sim, uma grande figura humana, e, sobretudo, um grande médium, instrumento da espiritualidade superior. Mas não foi absolutamente o maior de todos.

            E também, para mim, ele não foi um “mestre” em Espiritismo. Ele próprio confessou que tudo que escrevia e falava não saía de dentro de si; vinha de Emmanuel, o padre jesuíta Manuel da Nóbrega, do médico André Luiz e de outras entidades espirituais.

            Nem pode ser considerado um “mestre” quem, na vida terrena, “apenas cursou o primário”, como afirma o autor, logo no prefácio. Jamais chegou ao ginásio e muito menos ao curso superior. Não conhecia nada da História da Humanidade, da vida e obra dos grandes pensadores, nacionais e estrangeiros.

            Para mim, o grande Mestre em Espiritismo foi Allan Kardec, o único e verdadeiro Missionário da Terceira Revelação, e, depois dele, Léon Denis, Gabriel Delanne, Camille Flammarion, Ernesto Bozano, Charles Richet, e muitos outros, que deixaram obras de mestres.

No Brasil meus grandes mestres têm sido Eurípedes Barsanulfo, Cairbar Schutell, Luciano Costa, Júlio Abreu Filho, Ricardo Machado, Henrique Andrade, Carlos Imbassahy (pai), José Herculano Pires, Deolindo Amorim, Gélio Lacerda da Silva, Francisco Klörs Werneck, e, sobretudo, meu querido e saudoso pai, Severino de Freitas Prestes Filho, de quem tenho muitas palestras gravadas em CDs e cujas “Memórias” serão lançadas em 1910.