ofplogo.gif (4994 bytes)"NOVA TÁTICA DOS ADVERSÁRIOS DO ESPIRITISMO"


Em um artigo publicado na Revista Espírita de junho de 1865 (págs. 181 a 186), um ano, portanto, antes de aparecer o livro "Os Quatro Evangelhos" de Roustaing, Allan Kardec já alertava o mundo espírita para que tomasse cuidado, pois os traidores iriam aparecer.

Vejamos, então, o que foi que ele escreveu: "Jamais uma doutrina filosófica dos tempos modernos causou tanta emoção quanto o Espiritismo, e, jamais foi atacada com tanto encarniçamento. Isto é a prova evidente que lhe reconhecem mais vitalidade e raízes mais profundas que nas outras, pois, não se toma de uma picareta para arrancar um capinzinho (...) A luta está longe de chegar ao fim; ao contrário, há que esperar vê-la tomar maiores proporções e um outro caráter (...) Muitas vezes já tentaram, e o farão ainda, comprometer a doutrina, impelindo-a por uma via perigosa ou ridícula, para a desacreditar. Hoje, é semeando por baixo a divisão, lançando fachos de discórdia, que esperam lançar a dúvida e a incerteza nos espíritas, provocar o desânimo verdadeiro ou simulado e levar o desentendimento entre os adeptos. . Mas, não são adversários confessos que assim agiriam.

"O Espiritismo, cujos princípios têm tantos pontos de semelhança com os do cristianismo, também deve ter os seus judas, para que tenha a glória de sair vitorioso dessa nova prova ( ...) Nosso dever é premunir os espíritas sinceros contra as armadilhas que lhes pregaram ...

"Sim, - repetimo-lo -, o Espiritismo ainda tem que passar por duras provas e é aí que Deus reconhecerá seus verdadeiros servidores pela coragem, pela firmeza e pela perseverança...

"É, pois, um dever de todos os espíritas sinceros e devotados, repudiar e desautorizar, abertamente, os abusos de todo gênero que pudessem comprometer a doutrina, a fim de não lhes assumir a responsabilidade. Pactuar com os abusos seria tornar-se cúmplice e fornecer armas aos nossos adversários...

"Os períodos de transição são sempre difíceis de se passar. O espiritismo está nesse período; atravessa-o com tanto menos dificuldade quanto mais seus adeptos forem prudentes. Estamos em guerra; lá está o inimigo, que espia, prestes a explorar o menor passo em falso em seu proveito e prestes também a fazer meter o pé na lama, se o puder..." Allan Kardec, único e verdadeiro Missionário da Terceira Revelação, presidida pelo luminoso Espírito de Verdade.


NOSSO COMENTÁRIO

A respeito do que disse nosso querido Mestre, vem, muito a propósito, o pronunciamento do grande e ilustre escritor Nazareno Tourinho, de Belém/PA, que, no recente Seminário promovido pela Comunidade Espírita "A Casa do Caminho" de Juiz de Fora, declarou o seguinte:

"Kardec ainda não tinha acabado a obra da Codificação, quando foi surpreendido pela obra de Roustaing, que foi tão pouco ético, que botou na capa do seu livro a tarja ‘Espiritismo cristão’, como se a Doutrina de Kardec não fosse cristã.

"E por que falar nestes termos Roustaing e Roustainguismo?! ´É porque nossa querida FEB, infelizmente se orienta pela obra de Roustaing. Em 1920, a FEB publicou uma edição de "Os Quatro Evangelhos", obra de Roustaing, com ataques violentos contra Kardec. Hoje, ela esconde isso. Tenho uma cópia dessa edição. E ninguém diz nada, ninguém fala.

"E, como a FEB justifica isso? Justifica, dizendo que a obra de Roustaing só tem divergências com a de Kardec, em questões secundárias? Então, pergunto: - Vocês acham que a reencarnação é um princípio secundário, sem importância, na Doutrina Espírita? Não, a reencarnação é o eixo em torno do qual está montada toda a estrutura teórica da filosofia espírita e que destrói a teoria católica das penas eternas. O princípio da reencarnação é fundamental para a Doutrina Espírita.

"Vejam estes exemplos, tirados da obra de Roustaing, vol. I, pág. 317: "A reencarnação não é uma necessidade, é um castigo" ; "A paralisia é um resfriamento dos fluidos animalizados, que circulam no organismo humano". Ora, isso é uma heresia científica ridícula. Qualquer estudante de ginásio (hoje 1º grau) sabe que uma paralisia é decorrente de uma disfunção cerebral.

" Concluímos então que a obra de Roustaing é uma mistificação armada pelos padres jesuítas do umbral , para destruir a filosofia espírita".

Estas sábias palavras do nosso querido confrade , jornalista Nazareno Tourinho, vem, justamente, confirmar o que nosso amado Mestre Allan Kardec escreveu e publicou em sua Revista Espirita, edição acima citada. J.B. Roustaing é um judas, um traidor, por conseguinte, um inimigo declarado do verdadeiro Espiritismo, e apareceu, justamente, para tentar ridicularizá-lo, como muito bem declarou J. Herculano Pires.

E, por uma questão de lógica, se Roustaing foi um traidor de Kardec, vale dizer, do Espírito de Verdade, a quem Kardec servia, todos os seguidores de Roustaing, declarados ou não, também são traidores. Da mesma forma os kardecistas que permitiram e ainda permitem que uma instituição roustainguista, como a FEB, continue à frente do nosso movimento e vai nos representar lá fora, em Paris, durante o Congresso Internacional que será realizado em outubro de 2004, em comemoração ao segundo centenário de nascimento do nosso querido mestre lionês..

Eu não me coloco ao lado desses traidores. Como um franco atirador, hoje FRANCO PALADINO, continuarei firme na trincheira, nesta guerra em que estamos envolvidos contra os inimigos do verdadeiro Espiritismo, que é o da Codificação promovida por Kardec.

<<< Voltar