ofplogo.gif (4994 bytes)   


DIVALDO E O CONGRESSO FEESP 2008

 

                O “Jornal Espírita” de abril último, ao anunciar a realização do Congresso Espírita FEESP 2008, dedicou uma página inteira a Divaldo Pereira Franco, destacando sua atuação como “Apóstolo do Espiritismo”.

                Nascido em 5 de maio de 1927, em Feira de Santana, BA, tendo hoje, portanto, 81 anos de idade, Divaldo dedicou a maior parte de sua vida à divulgação da Doutrina Espírita e às crianças excluídas de Salvador, recolhidas na Mansão do Caminho, admirável complexo educacional que ocupa hoje 50 edifícios por 83 metros quadrados.

                Divaldo cursou a Escola Normal Rural de Feira de Santana, onde, em dezembro de 1943, recebeu  o diploma de professor primário, dedicando-se desde então ao magistério. Ao mesmo tempo, entrou por concurso público para o serviço público federal, tornando-se funcionário do antigo IPASE ou Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado até 1980, quando se aposentou.

                Divaldo é reconhecido como um dos maiores divulgadores do Espiritismo. Realizou mais de 11 mil conferências por todo o mundo, concedeu mais de mil entrevistas a emissoras de rádio e estações televisivas, psicografou cerca de 200 livros, tendo recebido mais de 700 homenagens no Brasil e no exterior. É, por isso mesmo, possuidor de muitas medalhas, placas comemorativas, troféus, monções de congratulações, títulos honoríficos, etc. etc. É importante destacar que, em 2001, recebeu das mãos do Governo do Estado de Minas Gerais a medalha Chico Xavier.

                Vários Espíritos têm se manifestado através da mediunidade psicográfica e psicofônica de Divaldo Pereira Franco. O que mais tem se destacado é o que se identificou como sendo o de Joanna de Ângelis.

                Em abril de 2007, no encerramento do II Congresso Espírita Brasileiro, promovido pela Federação Espírita Brasileira para a comemoração dos 150 anos do lançamento de “O Livro dos Espíritos” de Allan Kardec, parece ter-se manifestado, através de sua mediunidade psicofônica, o Espírito do Dr. Adolfo Bezerra de Menezes. Bezerra não só anunciou a presença do Espírito de Allan Kardec, como deixou bem claro que foi o querido Mestre lionês quem presidiu, espiritualmente, aquele evento.

                Eis o que parece ter dito, através do médium Divaldo Franco, o Espírito daquele que, em vida,  ficou conhecido como o “Médico dos Pobres”: “ – Convidado pelos espíritos-espíritas do Brasil, para que presidisse este Evento, o nobre Codificador, aqui presente, com as falanges do Espírito de Verdade, está aqui conosco e nos acompanhará neste novo ciclo que se abre até o momento em que o mundo de regeneração se encontre instaurado e espalhado na Terra...”

                É claro que o Presidente da FEB, Nestor Masotti, e todos os seus assistentes de Diretoria, assim como os representantes de todas as Federativas, exultaram de alegria e satisfação ao ouvirem o que Bezerra falou pela voz do médium Divaldo Franco. Nem poderia ser diferente porque Divaldo, desde jovem, sempre foi muito ligado aos roustainguistas da FEB, dos quais vem recebendo constantes e justas demonstrações de respeito e admiração, tendo sido, inclusive, membro efetivo do seu Conselho Superior por muito tempo. (Ver “Reformador” - Ano de 1989 – Edição encadernada da FEB)

                Eu, porém, com todo o respeito e admiração que tenho pelo grande orador e divulgador do Espiritismo no Brasil e no Mundo, que é o médium baiano Divaldo Franco, volto a declarar: NÃO ACREDITO QUE O ESPÍRITO DE ALLAN KARDEC TENHA ESTADO PRESENTE A ESSE EVENTO. NÃO ACREDITO MESMO!

 Provem-me que estou completamente errado pensando assim. Provem-me, cientificamente, já que, como o próprio Kardec definiu, o Espiritismo é uma nova ciência. Portanto, nós, espíritas, temos que agir sempre como cientistas, usando o método científico de pesquisa. E, no caso em foco, o mais indicado é a evocação do Espírito do Codificador. Sim, porque Allan Kardec em vida não só usou, constantemente, esse instrumento, como deixou bem claro que considerava um erro não se recorrer à evocação e ficar só recebendo comunicações espontâneas. (Ver “O Livro dos Médiuns” ou “Guia dos Evocadores”, cap. XXV, números 269 em diante).

Portanto, se me provarem, cientificamente, que estou errado, humildemente então, estenderei o braço e darei a mão à palmatória...

                Aproveitando a oportunidade e, já que estamos destacando a figura do grande tribuno espírita baiano, Divaldo Franco, gostaríamos de saber se no Segundo Congresso Espírita Brasileiro de abril de 2007, em que, segundo Bezerra de Menezes  compareceu o Espírito de Allan Kardec, foram feitas ao  Missionário lionês estas duas perguntas: a) É certo, é direito a FEB continuar servindo a dois senhores ao mesmo tempo ,  -  Kardec e Roustaing  -, contrariando assim os Evangelhos de Jesus e o Evangelho segundo o Espiritismo? b) o roustainguismo é mesmo um “curso superior de espiritismo” como afirmou Ismael Gomes Braga em seu livro Elos Doutrinários, dedicado ao Espírito de Guillon Ribeiro, lançado pela Editora da FEB em 1948, e, desde então, exposto à venda em suas Livrarias?

OBSERVAÇÃO: - Até a gestão de Juvanir Borges de Souza, a revista “REFORMADOR” apresentava sempre uma relação dos livros que estavam à venda na Livraria da FEB e eram distribuídos aos assinantes. Tenho comigo exemplares de janeiro a dezembro dos anos de 1989, 1990, 1993, 1996 e 1999 e em todos aparece sempre o nome de Ismael Gomes Braga e o título de seu livro “Elos Doutrinários”.

            Atualmente isto já não vem acontecendo!